Curso

Curso de Distúrbios de Aprendizagem e IndisciplinaO último curso, sobre Distúrbios de Aprendizagem e Indisciplina, foi um sucesso, clique aqui e veja fotos. Fique atento para novas datas e temas. Mande sua sugestão de tema.
Tratamentos para o ronco: PDF Imprimir E-mail
Escrito por Dra. Thais   

         Dentre as condutas existentes para o tratamento da SAOS destacam-se a pressão positiva em vias aéreas superiores (CPAP) que é reconhecidamente eficaz e, usualmente, o método de primeira escolha, as dietas, os aparelhos ortodônticos intra-orais e as cirurgias que têm indicação em casos especiais . A terapia miofuncional oral fonoaudiológica pode representar uma nova opção terapêutica para pacientes roncadores com ou sem SAOS .

        O CPAP,  é o tratamento de pressão positiva contínua nas vias aéreas superiores (VAS) por meio de uma máscara nasal ou oronasal. Esta modalidade terapêutica é considerada a mais eficaz nos casos de pacientes portadores de SAOS, principalmente aqueles que apresentam queda expressiva da saturação de oxigênio (SaO2), SAOS moderada e SAOS grave. Algumas limitações à sua utilização estão ligadas à máscara que pode causar desconforto, rejeição pelo cônjuge, vazamento de ar gerando alergias e irritações cutâneas que ocorrem em pacientes respiradores orais em decorrência de obstrução nasal o que pode culminar com a baixa adesão.

        A perda de peso corporal por meio de dietas ou cirurgias é outra opção terapêutica. Reduções ponderais de 10% do peso corporal podem levar à redução de até 50% do índice de apnéia/hipopnéia (IAH), e com 20% de perda do peso corporal, o paciente pode tornar-se assintomático. Esse fato é explicado pela perda de tecido adiposo em todo o corpo, incluindo na região orofaríngea. Entretanto, as taxas de sucesso a longo prazo são desanimadoras com recuperação do peso e reaparecimento ou agravamento da SAOS .

         Os aparelhos intra-orais, retentores linguais e posicionadores mandibulares, são indicados para pacientes portadores de SAOS leve a moderada e retrognatas que não estejam acima do peso ideal e que não tenham grave dessaturação da oxihemoglobina. Além dessas contra-indicações, pacientes com número insuficiente de dentes para ancorar o aparelho, uso de próteses extensas, problemas periodontais, disfunção aguda da articulação temporomandibular (ATM) e portadores de alterações anatômicas importantes nas VAS, não devem ser tratados com o aparelho intra-oral por não alcançarem bons resultados .

       As técnicas cirúrgicas variam desde cirurgias otorrinolaringológicas a cirurgias ortopédicas funcionais dos maxilares, que apresentam resultados variáveis. Os procedimentos mais comuns atingem entre 40% e 50% de eficiência (9), e muitas vezes devem ser combinadas mais de uma técnica no mesmo tempo cirúrgico ou em dois tempos separados para que os resultados possam ser mais satisfatórios .

        As modalidades de tratamento descritas anteriormente podem atuar apenas de maneira paliativa, uma vez que podem não tratar efetivamente o fator que principiou a instalação da SAOS ou são de difícil adesão pelos pacientes (alto custo, difícil manutenção a longo prazo, etc.). Assim, na busca de outros métodos terapêuticos, levantou-se a hipótese da intervenção fonoaudiológica em pacientes roncadores com e sem SAOS por meio da terapia miofuncional oral trazer benefícios para estes pacientes.

         A contribuição da fonoaudiologia nesses casos fundamenta-se no fato de que pacientes roncadores e apneicos apresentam um comprometimento neuromuscular e/ou estrutural de suas VAS, culminando em uma redução significativa do tônus muscular e aumento da resistência das VAS durante o sono .Acredita-se também que a força dilatadora dos músculos das VAS é a única força responsável por contrabalançar as forças que promovem o colapso, representadas pela pressão negativa transmural da faringe e pelo peso das estruturas formadoras das VAS , fato que justifica a reabilitação da musculatura orofacial e faríngea desses indivíduos.

       Após consulta inicial, um plano é construído para cada paciente; uma mudança de hábitos também deverá fazer parte do dia- a -dia dos pacientes.

       Encontros semanais são realizados não somente para realização de terapias, mas, a discussão das dificuldades do paciente e a solução prática para os mesmos.

      Marque com seu otorrino, faça uma polissonografia e demais exames e converse com ele sobre oque você conheceu agora!!

    Seje bem vindo em nossas modernas instalções!!